Follow by Email

1.21.2015

SEPETIBA, O PARAÍSO PERDIDO



        Para quem não conhece, Sepetiba  é um bairro da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Sua história conhecida remonta aos primórdios da fundação da cidade, quando a Fazenda de Santa Cruz foi implantada pelos jesuítas e Sepetiba, com sua bela baía, contornada pela não menos bela Restinga da Marambaia, escoava a imensa produção agropecuária da fazenda, que seria considerada uma das mais prósperas do Brasil colônia. Sepetiba também recebeu uma aldeia de índios catequizados pelos padres jesuítas e, mais tarde, seria a sede do importante Engenho do Pihai, do qual não ficou nenhum vestígio, apenas a vaga lembrança registrada no nome da Estrada do Piaí, que liga Sepetiba a Pedra de Guaratiba.



        No século XIX, quando a sede da fazenda passou a ser o Palácio de Veraneio do príncipe-regente D. João, após a transferência da Corte portuguesa para o Brasil, em 1808, a Baía de Sepetiba passou a ser defendida por navios portugueses fortemente armados, afinal, o primeiro monarca europeu a botar os pés no continente americano estava a poucos quilômetros dali, naquele que seria, um dia, o bairro de Santa Cruz.



        Mais tarde, no conturbado período da proclamação da independência, a futura imperatriz Leopoldina receberia, no cais de Sepetiba, o poderoso ministro José Bonifácio, o "patriarca da independência", que chegava de Santos e seguiria, com Leopoldina, para a Fazenda de Santa Cruz, discutir os próximos passos para que o marido dela  proclamasse a independência e se tornasse D. Pedro I, o primeiro imperador do Brasil.
        Também nesse período, Sepetiba ganharia três fortes: São Pedro, São Paulo e São Leopoldo, além da bateria de Pihai. Poucos vestígios destas construções foram preservadas.



        Da  segunda metade do século XIX em diante, Sepetiba teria linhas de navegação para a Ilha Grande, Paraty, Mangaratiba e outras localidades, além de uma linha de bondes para Santa Cruz. E ao longo do século XX, Sepetiba iria se transformar no balneário preferido dos cariocas, com suas águas calmas e limpas atraindo milhares de pessoas, principalmente no verão, quando várias casas eram alugadas por temporada, movimentando a economia da região, que vivia basicamente do turismo e da pesca. Na década de 70, o bairro ficaria mais conhecido ainda com a gravação da novela "O bem-amado", de Dias Gomes, exibida pela TV Globo, com o famoso prefeito Odorico Paraguaçu, interpretado por Paulo Gracindo, proferindo seus discursos repletos de "emborasmentes" no coreto da Praça Washington Luís, que ainda existe e é tombado pelo governo do Estado desde 1985.
        Tudo isso, no entanto, faz parte do passado. A partir desta mesma década de 70, obras de dragagem mal feitas para a construção do Porto de Sepetiba e a instalação de indústrias de material pesado iniciaram o processo de poluição da baía, agravada com o despejo in natura do esgoto, seja através de canos e manilhas, ou por rios como o Piraquê, que recebe o esgoto de outros rios, outrora limpos e navegáveis, e os despeja na outrora cristalina Baía de Sepetiba.



        Poluída a baía, os turistas foram embora, a pesca sofreu um duro baque e as casas de  veraneio se esvaziaram - o início de um longo processo de decadência que foi se intensificando até os dias de hoje. O transporte público é péssimo, não há um hospital, a violência aumentou, as estradas são perigosas, não há ciclovias, teatros, cinemas, livrarias, sequer um shopping. Suas três praias (do Cardo, Dona Luísa e Sepetiba) são dominadas pela lama (não mais a lama que os banhistas lambuzavam o corpo antigamente e diziam ter propriedades terapêuticas) e alguns barcos de intrépidos pescadores, que conseguem pegar alguma coisa mais para o fundo da baía.
        A única tentativa do poder público de fazer algo para revitalizar o bairro foi a renovação da faixa de areia da Praia de Sepetiba, a maior das três, um trabalho que durou anos e que, de  certa forma, revitalizou o espaço, embora a lama e o esgoto já estejam ocupando novamente o seu espaço.



        A população, no entanto, começa a reagir, principalmente através das redes sociais. A professora Bianca Wild, por exemplo, e um grupo de moradores do Ecomuseu de Sepetiba, vem promovendo eventos no bairro, como o passeio, sempre no primeiro domingo do mês, reunindo pessoas no histórico coreto e seguindo até a Ilha dos Marinheiros (onde marinheiros rebeldes foram fuzilados durante a Revolta da Armada, no final do século XIX), com palestras sobre a importância histórica da região, ações de conscientização ambiental e uma visita ao antigo Cais Imperial da ilha.
        Na língua tupi, Sepetiba significa "área com grande quantidade de sapê", que é uma espécie de vegetação rasteira que existia por todo o seu belo litoral.       

* Fotos tiradas por mim, em agosto de 2014. Legendas, de cima para baixo:

- Coreto
- Praia do Cardo
- Ilha do Tatu
- Praia de Dona Luísa
- Antigo Iate Clube
- Praia de Sepetiba

1.05.2015

RIO NOIR


Rio Noir - (coletânea de contos editada por Tony Belloto) - Casa da Palavra - 304 páginas.

         "Rio Noir" é a versão carioca de uma série de livros de sucesso nos Estados Unidos, publicada pela editora Akashic Books e que reúne contos noir de escritores do gênero (ou não) ambientados em alguma cidade escolhida para aquela edição. Como a ideia deu muito certo, a editora ampliou a coleção para cidades de outros países, como esta que traz a cidade do Rio de Janeiro como cenário - a primeira publicada no Brasil, feita em parceria com a Casa da Palavra e organizada por Tony Belloto, músico do grupo Titãs e já bastante experiente no tema com seus livros protagonizados pelo detetive Remo Bellini.
         A literatura noir teve seu auge nos Estados Unidos em meados do século passado, graças a autores como Raymond Chandler, Dashiell Hammett (do clássico "O falcão maltês") e James Ellroy e se caracterizou principalmente por fugir ao padrão da trama policial comum, onde os personagens são muito bem demarcados. No ambiente noir, o clima é outro, há humor, há crítica política e comportamental, os detetives são durões, mas sensíveis, gostam de jazz, boa literatura e bons restaurantes, seus auxiliares costumam ser pitorescos e muitas vezes "roubam a cena". As mulheres são sensuais e determinadas (geralmente louras) e os diálogos ágeis e muito bem escritos. Sem contar, obviamente, o clima sombrio, com muito nevoeiro e becos escuros (noir significa preto, em francês). Um fã do gênero é o cineasta Quentin Tarantino, que no filme Pulp Fiction fez uma homenagem ao livro e filme noir, inclusive no título, já que pulp fiction era o tipo de publicação inicial da literaturanoir, feita em formato de bolso, com papel barato e que poderia ser vendida em tudo que era lugar.
         Para transportar a literatura noir ao Rio de Janeiro, foram convidados 15 autores, alguns já dominando o gênero da literatura policial, como Luiz Alfredo Garcia-Roza, o próprio Tony Belloto e o jovem Raphael Montes, sucesso de vendas com seus romances "Dias perfeitos" e "Suicidas", além de nomes conhecidos na imprensa carioca, como Arnaldo Bloch, Arthur Dapieve e Guilherme Fiúza (que afirmou nunca ter escrito um conto antes deste livro), e autores importantes da literatura contemporânea, como Adriana Lisboa e Flávio Carneiro. Não poderia faltar, é claro, Luis Fernando Verissimo, criador do impagável detetive Ed Mort e que ambienta seu conto no bairro de Bangu, onde um duplo assassinato ocorre ao lado de um manuscrito de poesias intitulado "A hora das sombras compridas": "Uma das poucas coisas no apartamento que não estavam respingadas de sangue".
         O resultado é muito bom, com os autores criando suas histórias exatamente em cima do contraste entre as belezas naturais da cidade e a tão decantada hospitalidade dos cariocas e seu espírito festivo com o que se esconde (ou nem tanto) neste "purgatório da beleza e do caos", como já cantou Fernanda Abreu.
         Assim, cartões-postais consagrados da cidade surgem como cenários de situações que nenhuma agência de turismo iria publicar em "folders" promocionais, como o dedo que a personagem criada por Victoria Saramago encontra numa caminhada na Floresta da Tijuca ("Ponto Cego"), o corpo caído no Morro do Corcovado, com direito a um típico nevoeiro noir("Táxi argentino", de Arthur Dapieve), o famoso litoral da zona sul esquadrinhado por um gigolô disposto a observar "as burguesinhas do Leblon, as bichas da Farme, as gringas de Copacabana e as coroas cachorras do Leme" ("Coroas saradas", de Tony Belloto), e mesmo o canibal da Rua Canning, um coronel reformado do Exército que acreditava estar curado de certos hábitos ("Canibal de Ipanema", de Alexandre Fraga, que além de escritor é policial federal).
         Embora o tráfico de drogas esteja ligado a boa parte dos crimes no Rio, poucos autores o utilizam em suas histórias. O que sobressai mesmo é o clima noir das histórias e suas referências, seja no caso de Adriana Lisboa, que em "O enforcado", história passada no Largo do Machado, nos lembra "A cartomante", um dos grandes contos do mestre Machado de Assis, ou Flávio Carneiro, que em "A espera", narra uma história sem nenhuma cena de violência, mas cheia de deduções criativas e interessantes do Gordo, dono de um sebo na Rua do Lavradio e que ajuda um detetive amigo seu a investigar o homem que segue todo dia uma funcionária do setor de Obras Raras da Biblioteca Nacional e fica parado encostado num poste, jornal embaixo do braço, em frente ao prédio dela. Mais noir, impossível.