Follow by Email

9.30.2016

DE MATADOURO A CENTRO CULTURAL

No antigo jornal "O Grito da Zona Oeste", de maio de 1992, o título "Espaço Cultural de Santa Cruz não sai" se refere ao Palacete Princesa Isabel, antiga Escola Princesa Isabel e que foi sede do matadouro inaugurado em 1881, com a presença do imperador D. Pedro II. A matéria interna tem como título "O engodo permanece" e cobra dos políticos e autoridades a prometida transformação do prédio, bem degradado após um incêndio, em centro cultural em um bairro carente de espaços desse tipo. Hoje, totalmente restaurado, o prédio abriga o Centro Cultural Dr. Antônio Nicolau Jorge e o Noph-Ecomuseu de Santa Cruz, com vasto acervo de pesquisas, exposições permanentes e diversas atividades culturais, tudo o que o jornal reivindicava há mais de 20 anos.
 

Muita gente pode indagar o porquê da presença do imperador D. Pedro II na inauguração de um matadouro, e ainda assim numa região tão distante do centro da cidade. Durante muito tempo a cidade só teve um matadouro, inaugurado em 1774, na praia de Santa Luzia, no centro do Rio, praia que seria depois aterrada. Este matadouro seria transferido em 1853 para o Aterrado de São Cristóvão, na atual Praça da Bandeira. Claro, havia também os clandestinos. Como as normas de higiene eram péssimas, ainda mais perto do centro de poder, foi pensado um novo lugar para o matadouro, mais limpo, higiênico e organizado. E como já existia o transporte ferroviário na cidade, foi escolhido o Campo de São José, que fazia parte da Fazenda de Santa Cruz. E assim foi feito.
 

A pedra fundamental foi lançada em 1876 e a inauguração no dia 30 de dezembro de 1881. A presença do imperador se justificava por ser o matadouro de Santa Cruz a solução para o abastecimento regular de carne para a cidade. Para a população local, o matadouro trouxe vários benefícios. O gerador utilizado, por exemplo, fez com que Santa Cruz fosse o primeiro bairro da região a ter luz elétrica. Foram construídas também duas vilas operárias, cujas construções ainda estão lá, assim como a pequena estação de trem do matadouro, esta bastante degradada.
 

O atual Centro Cultural de Santa Cruz foi construído após a inauguração do matadouro, em estilo neoclássico, tendo ao redor um jardim projetado pelo francês François Marie Glaziou, responsável pelos jardins da Quinta da Boa Vista e do Campo de Santana, entre outros. O palacete funcionou como sede administrativa do matadouro e residência do diretor e dos médicos que trabalhavam lá. E, como sempre ressaltam os diretores do Centro Cultural, Walter e Odalice Priosti, ele nunca foi residência da princesa Isabel, embora ela e seu pai, D. Pedro II, fossem muito a Santa Cruz.


9.26.2016

OS PORTUGUESES E O "MAR OCEANO"

Muita gente já comparou as grandes navegações do passado com as viagens espaciais. Considero uma analogia bem interessante, tal o nível de desenvolvimento de inteligência e tecnologia para se atingir os dois objetivos, sem contar, é claro, uma dose excessiva de coragem, tanto para se atingir o espaço quanto para desbravar o "mar oceano", ou "mar tenebroso", como os portugueses chamavam o Oceano Atlântico e o que se escondia atrás de seu indevassável horizonte.

Falei dos portugueses porque foi este povo que, sufocado entre o restante do continente europeu e o mar, seria o pioneiro das grandes navegações a partir do século XV, o século que veria o nascimento da imprensa, com Gutemberg, em 1454, e o nascimento de gênios como Leonardo da Vinci (1452), Maquiavel (1469), Nicolau Copérnico (1473) e Michelangelo (1475). Como em todos os grandes desenvolvimentos tecnológicos da humanidade, foi muito mais necessidade do que opção.

O estratégico Mar Mediterrâneo era dominado pelos reinos de Gênova, Florença e Veneza, que comercializavam produtos com as caravanas que vinham do oriente, entre eles as cobiçadas especiarias, como canela, noz moscada, erva-doce, pimenta e gengibre. Sua importância? Como na época ainda não havia geladeiras nem freezers, eram essas substâncias que conservavam os alimentos, não por muito tempo, é verdade, mas era o que se tinha. Naquele século, a situação ainda iria piorar após a conquista de Constantinopla pelos turcos, em 1453, que tornaria mais fechado ainda o comércio pelo Mar Mediterrâneo e marcaria o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna e o Renascimento.

Portanto, para o pequeno reino de Portugal, só havia mesmo uma saída: o mar. Mas como se aventurar por aquela imensa massa de água, já que as embarcações eram pequenas e frágeis, e como se orientar em alto mar, sem acidentes geográficos por perto? E ainda circulavam, por todo o continente, histórias de monstros fantásticos que habitavam o oceano desconhecido. Foi aí que a busca pelo conhecimento falou mais alto: na Vila de Sagres, no Algarve, teria sido fundada pelo infante D. Henrique, um dos filhos do rei D. João I, em 1417, a Escola de Sagres, um centro de conhecimento que reuniria cérebros privilegiados, geógrafos, astrônomos, matemáticos, e outras especialidades, para desenvolver técnicas de navegação e orientação em alto mar. Também viriam judeus e muçulmanos, que ali estariam protegidos da temida Inquisição, em troca de seus estudos e conhecimentos. O lema da Escola de Sagres seria uma frase do general romano Pompeu: "Navegar é preciso, viver não é preciso".

 Os verbos das frases anteriores estão todos na forma condicional porque a existência da Escola de Sagres é um ponto bastante polêmico entre os historiadores, muitos dizem que isso é um mito, que não teria existido uma escola formal de desenvolvimento de técnicas de navegação, um tema que já rendeu muitas teses contra e a favor. Mas há, sim, o consenso de que foi em Portugal que os conhecimentos sobre a navegação marítima mais se desenvolveram naquela época, seja em Sagres ou em qualquer outro ponto do reino, e abriram caminho para as grandes navegações, primeiro pela costa da África, e depois pelo "mar oceano".

9.19.2016

FAZENDA DE SANTA CRUZ: A JOIA DA COROA


A região de Santa Cruz abrigou, do final do século XVI em diante, uma das maiores fazendas do l. No seu auge, ela chegou a atingir a cidade de Vassouras, sendo chamada, durante muito tempo, de "a joia da Coroa". Foi a principal fornecedora de gêneros alimentícios da cidade do Rio de Janeiro, cuja produção era embarcada na Baía de Sepetiba até chegar ao centro do Rio de Janeiro. Os caminhos por terra eram muito precários e até a chegada do trem, na segunda metade do século XIX, o melhor transporte pela cidade era através dos rios (naquela época, bem navegáveis, diferentes do valões de hoje em dia).

A região onde seria instalada a fazenda fazia parte da sesmaria doada a Cristóvão Monteiro, em 1567, em agradecimento por ele ter lutado contra franceses e seus aliados, os índios tupinambás (também chamados de tamoios, ´os avós, os mais antigos´), na conquista da cidade do Rio de Janeiro, dois anos antes. Sesmaria é uma palavra de origem latina que significa ´seximus´, o sexto, já que, em sua origem, era uma terra dividida entre seis pessoas. Assim, o reino português doava uma grande porção de terra a quem achasse merecedor dela, com a condição de que fosse ocupada e explorada economicamente, caso contrário, teria que ser devolvida. A de Cristóvão Monteiro abrangia boa parte da região de Guaratiba.

Após a morte de Cristóvão Monteiro, sua viúva, Marquesa Ferreira, já bastante doente, doaria, em 1589, metade das terras do casal aos jesuítas, como foi desejo de seu marido. A outra metade seria doada no ano seguinte, após a morte de Marquesa, pela filha do casal, Catarina Monteiro, e o marido, José Adorno, em troca de terras em Bertioga, São Paulo. E assim começava a história da poderosa Fazenda de Santa Cruz, que iria ampliando seus limites através da compra, ou doação, de mais terras, como em 1616, quando os jesuítas compraram terras dos herdeiros de Manuel Veloso Espinha.
Como era uma região constantemente alagada, os jesuítas teriam muito trabalho de drenagem e irrigação pela frente (alguns padres chegaram a estudar técnicas modernas na Holanda), trabalho feito pelos escravos africanos, que já começavam a ser trazidos a força em grande quantidade no final daquele século. Entre as obras realizadas, estão os canais do São Francisco, do Guandu e do Itá, e as pontes que funcionavam como represas também, entre elas a Ponte dos Jesuítas, tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, construída em 1752 e um dos mais representativos símbolos da arquitetura jesuítica no Rio de Janeiro.

* Ilustração: pintura de Debret sobre a sede da fazenda (1817).

9.13.2016

O FRANCÊS QUE SAQUEOU O RIO

Por André Luis Mansur

Se o francês Jean François Du Clerc, com cerca de mil corsários, não conseguiu conquistar o Rio de Janeiro, em setembro de 1710, e ainda acabaria assassinado na prisão, um ano depois a situação seria bem diferente.Outro corsário francês, René Duguay-Trouin, chegava à cidade com 17 navios (na verdade foram 18, pois no caminho os franceses obrigaram a tripulação de um navio inglês a seguir com eles) e cerca de 4 mil corsários. Duguay-Trouin rompeu as defesas da Baía de Guanabara e invadiu o Rio, apoiado por uma forte neblina, no dia 12 de setembro de 1711, há 305 anos.

Apesar do bombardeio das fortalezas e navios de guerra portugueses, os franceses foram avançando até se estabelecerem na Ilha das Cobras (exatamente em frente ao atual Boulevard Olímpico), de onde partiriam para conquistar a cidade. "No dia 14 de setembro já estavam em terra todas as nossas tropas, num total de dois mil e duzentos soldados, e entre setecentos e oitocentos marinheiros, armados e experimentados, o que perfazia, incluídos os oficiais, guardas-marinha e voluntários, uma tropa de cerca de três mil e trezentos homens. Além disso, tínhamos ainda quase quinhentos homens atacados por escorbuto, os quais desembarcaram junto com os outros, e ao cabo de quatro ou cinco dias já estavam em condições de ser incorporados ao resto das tropas". ("Memórias do Senhor Duguay-Trouin", São Paulo, Imprensa Oficial-Editora UnB, 2003).

Após alguns dias de intensa batalha, a tropa portuguesa e os moradores da cidade a abandonaram após um grande bombardeio francês na noite do dia 20, acompanhado de intensa tempestade com muitos raios e trovoadas. O povo ficou em pânico, achando que os franceses realizavam um ataque geral, e fugiu da cidade levando o que podia em meio aos caminhos alagados.
O governador Francisco de Castro Morais, e toda a administração da cidade, se refugiaram na Fazenda do Engenho Novo, dos jesuítas. Todos aguardavam, ansiosos, a chegada de uma imensa tropa que vinha de Minas Gerais, sob o comando de Dom Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho.

Duguay-Trouin já sabia da iminente chegada dessa tropa e, por isso, acelerou a negociação do pagamento do resgate, ameaçando destruir toda a área central do Rio de Janeiro, já que, além das centenas de canhões dos navios de guerra, os franceses dominavam todas as fortalezas.Dom Antônio chegou no dia 11 de outubro, com cerca de 6 mil homens de tropas regulares. Mas nada mais podia ser feito.

O resgate da cidade já havia sido assinado, os franceses receberam 610 mil cruzados, 100 caixas de açúcar e 200 vacas, fora o que os corsários saquearam pela cidade. Duguay-Trouin devolveu o Rio de Janeiro e embarcou de volta com seus corsários no dia 13 de novembro, incluindo aí centenas de franceses da expedição de Du Clerc que estavam presos na cidade. Considerado culpado pela perda da cidade, o governador Francisco de Castro Morais foi degredado para a Índia, só conseguindo o perdão quase 30 anos depois. O Rio de Janeiro passou a ser governado por Dom Antônio de Albuquerque.

Já a volta dos corsários para a França foi cheia de contratempos, com imensas tempestades pelo caminho. O navio Aigle naufragou na ilha de Caiena, quando estava ancorado, mas a tripulação conseguiu escapar. Já os navios Magnanime e Fidèle naufragaram em alto mar, com a morte de quase 1200 franceses, incluindo Monsieur de Courserac, o primeiro a forçar a barra na Baía de Guanabara. Junto com o Magnanime, foram parar no fundo do mar boa parte das mercadorias trazidas do resgate e 600 mil libras em ouro e prata.

9.12.2016

O NOSSO 11 DE SETEMBRO


     A data de 11 de setembro costuma ser lembrada por dois acontecimentos dramáticos de alcance mundial: o ataque às torres gêmeas, em Nova York, em 2001, e o golpe militar no Chile, em 1973, quando o Palácio La Moneda foi bombardeado e o presidente Salvador Allende morto (até hoje não há certeza se Allende foi assassinado ou se cometeu suicídio). Já aqui, no Rio de Janeiro, também tivemos o nosso 11 de setembro, bem mais antigo, mas também com altas doses de violência e dramaticidade.

Foi nesta data, em 1710, há exatos 306 anos, que o francês Jean François Du Clerc, acompanhado de cerca de mil corsários, invadiu a cidade do Rio de Janeiro pela praia da Barra de Guaratiba, no lado oeste da cidade. O objetivo? Conquistar e saquear a cidade e depois dividir o butim, o valor do resgate, entre os corsários e os que apoiaram a invasão.

 O corsário, ao contrário do pirata, tinha autorização do rei para suas investidas (no caso de Du Clerc, do rei Luis XIV, o Rei Sol, ícone do modelo político conhecido como Absolutismo ("L'État c'est moi" - O Estado sou eu) e apoio financeiro de companhias e nobres abastados. Du Clerc tentou invadir o Rio de Janeiro pela Baía de Guanabara, mas foi rechaçado, com seus seis navios, pela Fortaleza de Santa Cruz. Foi, então, navegando pelo litoral da cidade até chegar a Angra dos Reis, que foi duramente bombardeada e teve algumas fazendas saqueadas.Quatro escravos fugidos de uma dessas fazendas informaram aos franceses que a praia da Barra de Guaratiba seria um bom ponto de desembarque para se atingir o centro do Rio de Janeiro.

Os franceses seguiram o conselho e desceram na praia no dia 11 de setembro. Após oito dias de dura caminhada pelas montanhas (e com direito a alguns saques, como na Fazenda do Camorim), chegaram ao centro do Rio, onde já eram esperados sem o menor pingo de hospitalidade.
Numa violenta batalha que durou um dia inteiro, com muitos mortos e feridos de ambos os lados, os invasores se renderam.

 Os franceses sobreviventes foram distribuídos pelas prisões e Du Clerc ficou preso no Convento dos Jesuítas, no já extinto Morro do Castelo, sendo depois transferido para uma casa, na esquina da rua da Quitanda com (também já extinta) rua General Câmara, onde, apesar de estar guardado por várias sentinelas, foi assassinado no dia 18 de março de 1711, um crime que nunca foi solucionado.
Ainda em 1711, um outro corsário, René Duguay-Trouin, chegava ao Rio com a mesma intenção de Du Clerc, mas desta vez com 18 navios e cerca de seis mil corsários franceses. Mas essa história deixo para contar amanhã, na própria data da invasão.

* Ilustração: Capa do livro "A invasão francesa do Brasil - o corsário Du Clerc ataca o Rio de Janeiro por Guaratiba" (Edital), de André Luis Mansur e Ronaldo Morais, e atores do grupo "O Corsário Carioca", passeio que acontece sempre na Baía de Guanabara.