Follow by Email

7.04.2006

O ESTÔMAGO DOS POLÍTICOS


Gastroenterologistas, regozijai-vos! Acabou a Copa,
começam as eleições. E o caminho de um político para
ser eleito passa necessariamente pelos caminhos do
intestino – nem sempre tão delgados.

Buchada de bode, churrasquinho de gato,
rabada...político que quer ser eleito não dispensa um
prato, por mais assustador e estranho que lhe pareça.
O mais interessante, no entanto, é que após certo
tempo de campanha essa turma começa a adquirir aquilo
que é conhecido como “Imunidade anti-provadinha (I.A.P.)”, que
nada mais é do que a resistência criada pelo organismo para que o heróico candidato não sucumba ante os inevitáveis convites de possíveis eleitores do tipo: “Dá uma provadinha, foi minha mãe que fez”.

Uma provadinha aqui, outra ali, e muito candidato não consegue chegar sequer ao primeiro turno. Mas isso é só no início. Com o tempo e a inevitável experiência que ele traz, problemas como diarréia, azia e vômito passam a ser coisa do passado. Geralmente na terceira eleição (alguns mais resistentes já conseguem na segunda) o candidato adquire a I.A.P. E de tão resistente que ela é, o candidato pode se aventurar até numa comida mal cozida ou fora de validade, como é comum acontecer nas campanhas.

O grande problema é quando o candidato ganha uma eleição, pois ele passa a comer “do bom e do melhor” e pode fazer aquilo que seria impensável na campanha: recursar uma provadinha. Se ele conseguir ser eleito mais de uma vez, tudo bem. Caso contrário, ocorre aquilo que os especialistas chamam de Síndrome da Abstinência das Provadinhas. Após quatro anos de mandato comendo bem, a imunidade perde a força e se o político não for reeleito e tiver de iniciar uma nova campanha nas ruas, os efeitos serão devastadores.

O ideal é o candidato, quando eleito, não se esquecer dos eleitores e de vez em quando dar um pulinho nas ruas para provar uma deliciosa dobradinha, uma suculenta moela ou então aquela feijoada repleta de torresminhos. “Receita da vovó, doutor, pode provar sem medo!”

6 comentários:

Rodrigo Ricardo disse...

Contra Azia e má digestão política, só um jejum
rigoroso, daqueles de muçulmanos ou judeus. Voto
nulo, ajuda no embrulho da revolta. Mas, vou de Psol
para resgatar as delícias de se lutar por um Brasil
diferente. Saudações, Rodrigo

Aline Canejo disse...

Ficou com inveja dos outros e resolveu fazer um blog também? rsrs
Sucesso aí!
Bisous

Vanessa disse...

Gostei muito, aguardo os próximos textos. Vou ficar de olho nas eleições com a síndrome da abstinência de provadinhas.

Beijos, Vanessa.

Alberto Neves disse...

Pois eu faço questão de oferecer churrasquinho estragado para certos políticos.

Abraços.

Cristiane Andrade disse...

Gostei muito do texto, principalmente do bom humor. É preciso muita ironia para agüentar o que está por vir nas próximas eleições. E haja buchada de bode!

Beijos e parabéns!

Marcello disse...

O blog é bom, mas só vai ter um texto?
Vê se atualiza!
Sucesso.
Abraços.
MARCELLO BRUM