Follow by Email

9.12.2014

CAMPO GRANDE, SÍMBOLO DA VIDA RURAL CARIOCA

Artigo publicado por mim no site Rio 450 anos, do jornal O Globo, em 11 de setembro de 2014. Segue o link:



CAMPO GRANDE, SÍMBOLO DA VIDA RURAL CARIOCA

Cercado pelos parques florestais do Mendanha e da Pedra Branca, o bairro de Campo Grande tem suas origens no início da ocupação da cidade do Rio de Janeiro, quando os primeiros aventureiros partiram para a região que alguns séculos depois seria nomeada zona oeste da cidade. Já na passagem do século XVI para o XVII, eram doadas sesmarias, grandes porções de terras cujos donos tinham a obrigação de tornar produtivas, como a que o então governador do Rio de Janeiro, Martim de Sá, doou a Lázaro Fernandes e Pero da Silva, “moradores nesta cidade e suas mulheres e filhos, que lhes é necessário terras para suas lavouras e para fazerem eles e seus filhos fazenda e não tem nenhumas no Campo Grande”.

Na Serra do Mendanha, onde existe um vulcão extinto, é que foram plantadas em larga escala pela primeira vez mudas de café, levadas da Fazenda do Capão do Bispo, cuja sede ainda existe, no subúrbio. Só depois é que o café iria se espalhar pelo Vale do Paraíba. Também na mesma serra, nasceu, em 1797, aquele que seria um dos maiores botânicos brasileiros, Freire Alemão, descobridor de centenas de espécies de plantas. Do outro lado do bairro, a Serra do Rio da Prata ainda abriga um pouco da vida rural que dominou a paisagem da região durante séculos, com agricultores levando suas produções no lombo dos burros, a pracinha ajardinada e a igreja na frente, além do coreto e a bica tombados, símbolos de uma época em que os lavradores só iam ao centro do bairro para vender suas safras e receber o dinheiro no Café e Bar do Lavrador, que não existe mais e era uma espécie de “banco” que movimentava a vida rural na região.

Também era do centro do bairro que saíam os bondes, inaugurados no final do século XIX e que fizeram parte da paisagem campograndense até 1967, deixando saudades e muitas memórias nos moradores mais antigos. Além da linha Campo Grande-Rio da Prata, havia também as que iam para Santa Clara, Ilha de Guaratiba e Pedra de Guaratiba. Hoje, desta época de um transporte mais romântico e ecologicamente correto, só restou como lembrança a antiga Oficina de Manutenção dos Bondes, na Estrada do Monteiro, que é utilizada pela Comlurb (Companhia de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro.

Também outro símbolo forte do bairro, presente inclusive em algumas esculturas na área central, foi a laranja, principal produção agrícola da região entre as décadas de 1930 a 1950, embalada em imensos barracões e origem da riqueza de muitos fazendeiros que, após a decadência da produção, começaram a lotear as fazendas, incrementando o crescimento populacional do bairro, que hoje já atinge níveis de saturação.

Apesar disso, e do trânsito cada vez pior, o bairro ainda mantém traços da vida rural e tem como uma de suas principais características a hospitalidade de seus moradores, muitos deles “emprestados” de outros bairros, como eu, ou de famílias quatrocentonas, já que a Freguesia de Nossa Senhora do Desterro, nome da Igreja-Matriz que fica numa pequena elevação no centro do bairro, é de 1673, quando o Campo Grande era realmente uma imensa área que se estendia da Fazenda de Santa Cruz às Terras Realengas.

2 comentários:

Claudio Vinicius disse...

Parabéns, André!

Gosto muito de seus livros. Continue nesta caminhada.

André Luis Mansur disse...

Muito obrigado, Cláudio! Abração!