Follow by Email

10.05.2016

AS CARAVELAS E O INÍCIO DA EXPANSÃO MARÍTIMA

Como foi dito na coluna anterior, Portugal desenvolveu de forma impressionante as técnicas de navegação do século XV em diante, existindo ou não a Escola de Sagres, que é um ponto polêmico até hoje entre os historiadores.

De qualquer forma, uma grande quantidade de cientistas aportou no pequeno reino ibérico naquela época, muitos deles judeus perseguidos pela Inquisição espanhola. Assim, instrumentos antigos, como o astrolábio, a bússola e o quadrante foram aperfeiçoados, entre outros desenvolvimentos, mas foi a invenção da caravela o ápice de toda essa "tempestade de ideias", uma embarcação ideal para a conquista do "mar oceano".

As caravelas eram velozes, tinham de 20 a 30 metros de comprimento e de seis a oito metros de largura. Usava as velas latinas, triangulares, que permitiam, em ziguezague, navegar até com ventos contrários. Por serem mais versáteis, podiam entrar em rios e canais, contornar bancos de areia etc. O casco era bem esguio e comprido, o que permitia manobras rápidas, mas as caravelas não podiam armazenar muitas cargas. À beira do rio Tejo, Portugal acabou se transformando em um grande estaleiro, com milhares de homens trabalhando na construção das novas embarcações. Era a preparação para as grandes navegações.

Para o casco das caravelas, eram empregadas madeiras como pinho e carvalho. Já para calafetar o casco, ou seja, impedir que a água entrasse por alguma fresta, eram usados breu, estopa, resina, alcatrão, cânhamo, entre outros materiais. Para os mastros, era usado, de preferência, pinho do norte da Europa, e as velas eram feitas de lona ou linho, sem contar a grande quantidade de metais, fundidos em vários lugares. Sem dúvida, um grande e caro empreendimento, resultado da vontade política e interesses econômicos do reino e de companhias que se formaram com grande capital.
O principal objetivo era conseguir o caminho marítimo para as Índias contornando a África e, aí sim, obter as tão sonhadas especiarias. Para isso, no entanto, foi preciso avançar, passo a passo, por todo o litoral africano, um trabalho que durou o século inteiro e será tema da próxima coluna.

Nenhum comentário: